Os ventos andinos no faro das nossas elites

Por Patrick Mariano, na Revista Cult.

Os recentes levantes ocorridos na América Latina têm já surtido alguns efeitos por aqui. O primeiro deles veio de um dos decrépitos generais da reserva que hoje comandam o país. Disse um deles que as manifestações que levaram milhões às ruas por melhorias nas condições sociais e contra imposição das chamadas políticas de austeridade é uma tentativa de a esquerda radical retomar o poder. Uma pausa para sorrir.

O próprio presidente ameaçou utilizar o art. 142 da Constituição para proteger a lei e a ordem caso, à semelhança do Chile, brasileiros resolvam sair às ruas. Um segundo e não menos importante efeito das manifestações no continente vem da direita brasileira que quer ser chamada de centro. Luciano Huck e o coordenador do seu programa econômico, Armínio Fraga, defenderam investimentos sociais (leia-se políticas públicas) para equilibrar as drásticas medidas realizadas no pós-golpe de 2016 e evitar uma convulsão social.

A desfaçatez de Bolsonaro e seus generais de reserva em nada fica a dever a de Huck e seu staff político. Os primeiros, não tendo na manga nenhuma proposta concreta para apresentar ao país, recorrem à única coisa que sabem fazer: mentira, truculência, ameaça, difusão de ódio e medo. Os segundos, porque mancomunados com o golpe parlamentar, satanização de partidos políticos e a imposição dessas estúpidas medidas (que chamam de liberais) – como congelamento dos gastos na saúde e educação, implosão da CLT e da previdência -, querem agora retomar a história como se nunca houvessem pisado na cena do crime, utilizando como álibi a preocupação social.

Parte da elite brasileira já se convenceu que Bolsonaro não pode durar mais que esse mandato e, não fosse o receio das pequenas hordas fascistas que ainda o seguem, talvez encontrassem alguma forma de apeá-lo do poder antes mesmo do seu término, junto com os tétricos personagens do seu governo. Neste contexto de normalidade e apatia social, o Congresso continuaria governando tocando a pauta econômica e impedindo aqui e acolá um absurdo vindo do Executivo. A esquerda continuaria desmobilizada, enquanto o presidente corroeria seus já parcos pontos de aprovação. Seria este o plano de voo até antes das eleições argentinas e bolivianas e dos levantes populares do Equador e Chile.

“O dia em que o morro descer e não for carnaval”, para lembrar aqui do genial Wilson das Neves, é uma boa metáfora do clássico receio das elites quanto às mobilizações populares. Esse é o fator novo no cenário político nacional. Diante de uma crise econômica, política, social e ambiental sem precedentes e sem qualquer perspectiva de mudança, o fator “povo” estava ausente, embora as mobilizações populares de professores e estudantes contra o desmonte na educação tenham sido já significativas.

Ainda não há sinais de que o que aconteceu nos países latino-americanos venha por aqui se repetir, mas as nefastas políticas econômicas implementadas no contexto dos golpes no continente aprofundaram abismos sociais e deixaram o povo sem qualquer saída a não ser a de ir às ruas. Foi que o aconteceu no caso chileno e equatoriano.

Os ventos que sopram no continente já estão no faro das nossas elites. Aos poucos, 2018 vai ficando pra trás e é cada vez mais visível que o governo Bolsonaro não tem condições de retirar o país da crise. Soma-se a isso a sensação de ratos pulando do navio, o que ficou expresso no partido do presidente, o PSL, e na apresentação antecipadas de candidaturas como as de Doria e Huck.

Diante do isolamento e da desmoralização cada vez mais aguda interna e internacionalmente, o governo Bolsonaro envelhece muito rápido e são cada vez menores as opções de que dispõe para ter sustentação.

Oxalá os ventos andinos soprem para o atlântico e sejam capazes de interromper a destruição dos anos do pós-golpe de 2016 e iniciar a reconstrução do país. A primeira consequência é quase um inexorável destino, como já admitem alguns representantes das elites nacionais. Já a maior ou menor extensão da reconstrução, vai depender de quem for contratado para a obra.

Patrick Mariano é advogado criminalista, mestre em direito pela UnB e integrante da Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares – RENAP


Foto: Ivan Alvarado/Reuters

Deixe uma resposta